terça-feira, 29 de março de 2011

GHAWAZEE


O ESTILO





A dança das ghawazee foi um dos estilos que serviu de estrutura no desenvolvimento da Dança do Ventre neste formato que conhecemos atualmente, mas, afinal, o que é e quais são os passos que determinam o estilo ghawazee?

   Para quem estuda mais afundo a cultura cigana, sabe-se que cada família cigana possui uma forma diferente de dançar e que no final do século XIX, pelo menos dois estilos se mantiveram para o estudo ocidental: o Sombati e o Maazin. 

    Dentro destes dois termos ainda há a discussão pelos nomes dados, pois Sombati é também um ritmo e uma região e Maazin é o nome de uma família de ciganos, que atualmente mantém a tradição da dança.

     Dentre estes dois estilos, o primeiro é mais agressivo em termos de sedução e o segundo parece-se bastante com a dança do ventre, principalmente alguns passinhos que deram origem ao American Tribal.

Abaixo Khairecya Maazin, demonstrando o estilo ghawazee segundo sua tradição:


 O estilo ensinado pelas Banat Maazin tem mais ou menos seis passos, nada mais, o que nos leva a acreditar que muito da tradição se perdeu ou que num tempo passado não havia uma exigência técnica como existe atualmente. 


   Principalmente sendo uma dança de rua, presente nas festas, a brincadeira com o público deveria ser mais explorada do que uma sequência apurada de movimentos técnicos. 

 Já o modern ghawazee, criado por Aida Nour, segue a técnica do baladi com uma pontuação mais sedutora e brincalhona por parte da bailarina.

 Um vídeo que nos oferece a real condição dos ciganos egípcios e da figura da ghazyia é o Lacho Drom, seleciono abaixo o trecho a que menciono, atenção à coordenação entre quadris e pés: 




 O figurino ghawazee que conhecemos a partir de antigos cartões postais seguem a moda turca dos fins do século XIX, colete e calça bufante ou saia rodada e curta em contraposição com Tull bi - Telli ou Assuit  que é a galabiya tradicional egípcia, bordada em prata ou ouro, utilizada a partir da Idade Média e que tornou-se cada vez mais rara.

Alguns elementos da indumentária ghawazee são em grande parte inovações feitas pela família Maazin, cujo patriarca Yusuf, entrevistado por Edwina, descreve as mudanças e contextualiza a situação de seu clã em relação as transformações históricas do Egito.

   Um dos elementos criados pelos Maazin é aquele diadema, que durante os anos 70 e 80 virou uma febre entre as dançarinas de Dança do Ventre do mundo todo. Originalmente a ghawazee cobria os cabelos, como toda mulher do deserto, com um longo lenço bordado e arrematado com pompons (ainda é possível de ver nos trajes folcloricos dos fallahins por exemplo), mas por uma decisão interna do grupo, as Maazin criaram um diadema em forma de crescente, que prendia os cabelos para trás e ao mesmo tempo oferecia maior efeito nos espetáculo. O acessório foi apelidado de Taj Mahal, termo que no Egito quer dizer coroa 



O crescente de prata é um símbolo comum na indumentária do Alto Egito, tanto nas galabiyas, nos acessórios de prata como colares e brincos. Mas, com o passar do tempo e as transformações na vida e na cultura egípcia os figurinos sofreram atualizações de acordo com as novas necessidades e situações financeiras, os colares e moedas foram substituídos por lantejoulas e paetês, as fitas de cetim, que pendiam dos quadris até os tornozelos, por faixas com franjas de missanga, assim como a saia, ganhou babados de franjas com maior volume nos quadris para destacar os movimentos.



 Entre passado e presente muitos elementos mudaram, claro, mesmo porque a tradição vêm se perdendo ano após ano como todas as tradições em processo de extinção, e isso se deve aquele fato histórico em que as ghawazee foram expulsas do Cairo num processo de manutenção da moral na sociedade egípcia. Na região de Sombati, por exemplo, não se fala sobre o estilo daquela região, mantém-se apenas a lenda de que era muito sensual e nada mais...

    Mas, os movimentos, da família Maazin pelo menos, sobrevivem dentro da Dança do Ventre e há grupos ocidentais preocupados em manter, pelo menos a técnica; não é a mesma coisa, pois a tradição se faz com um família reunida, o patriarca compondo as musicas, os homens tocando e as mulheres improvisando sua própria história...

E quais são os passos que identificam um estilo ghawazee? 



    Além de passos folcloricos presentes nas demais sha'abis, como assaya ou fellahin, as ghawazee costumam manter uma vibração constante nos quadris. 

São característicos os seguintes passos:

Percurtir o pé (planta inteira) no chão durante as batidas laterais.

Acento forte para a lateral seguido de shimmy.

Egyptian walk - shimmy em triangulo.

saltinhos para trás como nas danças libanesas.

movimentos de braços em círculo - no alto da cabeça ou na região do ventre.

twits com acento diagonal.

Encostar-se uma na outra, pelas costas enquanto dançam.

 As ghawazee também praticavam algumas artes circenses, como equilibrar as bengalas na cabeça, nos quadris e no busto.




Aqui o grupo LESHJAE faz este estilo na primeira parte de sua Coreografia




Nenhum comentário:

Postar um comentário